FORA DO SÉRIO


Coluna
FORA DO SÉRIO

Sátiras dos fatos, dos conceitos e dos personagens da religião que não podem ser levados a sério



_______________________________________________________________________________________________________________________________


(Obs: conheça as postagens mais recentes desta página em:


Explicações para 10 Frases de Efeito dos Cristãos


> Se "Deus é a Resposta", então a pergunta era muito banal.

> Se "Jesus é a Vitória", então o adversário era muito fraco.

> Se "Deus é Fiel", então o seu cartão fidelidade ainda não foi desbloqueado.

> Se "Jesus é a Esperança", então o sucesso pode nunca chegar, pois "a esperança é a última que morre". 

> Se "Deus é Amor", então o sexo é divino, portanto os padres e as freiras deveriam casar entre si.

> Se "Jesus Salva", então a piscina era rasa, qualquer um era capaz de salvar. 

> Se "Deus é Grande", então deveria ser facilmente visualizado. 

> Se "Jesus é o Senhor", então não precisamos obedecer a ninguém. 

> Se "Deus é Pai", então somos todos órfãos.

> Se "Jesus te Ama", então faça um seguro de vida logo, pois "quem ama mata". 

Octavio da Cunha Botelho

04/09/2013


_______________________________________________________________________________________________________________________________




Projeto de Lei 666 de 24-6-2013 (Cura Carola)
de autoria do Deputado Marco Felice Anus

PREÂMBULO

            Se a Comissão de Direitos Humanos da Câmara, com seus membros composta majoritariamente por deputados cristãos e presidida por um pastor, o deputado Marco Feliciano, se considera competente para diagnosticar, sem embasamento clínico e científico, o que é doença, criando assim o Projeto de Lei conhecido popularmente de “Cura Gay”, qualquer um ou qualquer comissão também pode diagnosticar doença e propor alguma forma de cura.
            A partir deste raciocínio, uma vez que alguns ateus consideram a religiosidade uma doença, então é proposto abaixo um Projeto de Lei para a “Cura Carola”, de autoria do Deputado Marco Felice Anus, que é um parlamentar rival do Deputado Marco Feliciano. Como explícito em seu nome, é oportuno esclarecer antes quem é o Deputado Marco Felice Anus. Tal como o seu nome demonstra, a palavra portuguesa felice deriva do latim felix, que significa feliz, portanto seu sobrenome “Felice Anus” , que significa anus feliz, indica que é um político satisfeito com o seu anus, por isso, ao contrário, não precisa se preocupar com o anus alheio e daí criar projeto de lei de “Cura Gay”.
            Um religioso que se preocupa tanto com o anus alheio deve ter algum distúrbio, portanto, se aprovado este Projeto de Lei para a “Cura Carola”, ele (o deputado e pastor Marco Feliciano) deverá ser o primeiro paciente para o tratamento.
            Ademais, este parlamentar e pregador merece muito bem o seu primeiro nome, Marco, pois ele é, a proposito, um marco na história da política brasileira, visto que nunca houve um período na Comissão de Direitos Humanos da Câmara ‘marcado’ por tamanha imbecilidade.
            Imbecilidade por imbecilidade, segue abaixo o texto de um satírico Projeto de Lei para Cura Carola, proposto pelos ateus que consideram a carolice uma doença.

Título I
DA DEFINIÇÃO

Art. 1º Considera-se carola aquele psicótico que acredita:
            I – mais na Religião do que na Ciência;
            II – que o mundo tem um criador ao invés de ser resultado da evolução;
            III – mais no poder da oração do que na tecnologia;
            IV – que a religião ainda tem importância cultural para a atualidade;
            V – na veracidade de milagres;
            VI – que a mensagem religiosa tem significado eterno;
            VII – que a palavra do líder religioso é infalível.
           
            § 1º Todos os adeptos manipulados por seus líderes que apresentarem estes sinais de credulidade poderão ser encaminhados às clínicas psicológicas e psiquiátricas para diagnóstico e subsequente tratamento carola.
§ 2º Os líderes religiosos também poderão desfrutar da cura carola, porém com o acréscimo do tratamento de remoção da ambição manipuladora.

Título II
DOS SINTOMAS CAROLAS

Art. 2º Será diagnosticado como carola o crédulo que apresentar os seguintes sintomas de delírio:
            I – de que ser ateu é imoral e repugnante;
            II – de que se seguir sua religião irá para o céu e se desobedecer irá para o inferno;
III - de que se deixar a sua religião será castigado por deus;
IV – de que o papa é o representante de deus na terra;
V – de que tudo que o pastor ordena tem de ser reverencialmente obedecido;
            VI – de que as mortes de John Lennon e dos Mamonas Assassinas foram castigos de deus.

Título III
DA CURA CAROLA

Art. 3º A cura carola será feita através de tratamento e de medicação.
           
§ 1º Do tratamento convencional:
I – leitura sistemática dos livros de Richard Dawkins, de Sam Harris, de Daniel Dennett, de Bertrand Russel e de outros autores ateus para desintoxicação religiosa;
II – filiação às associações e aos grupos ateístas (ATEA, Liga Humanista Secular, Sociedade Racionalista-USP, etc.) para efeito de desmanipulação;
III – blindagem antirreligiosa para impedir a influência de novas pregações;
IV – imunização ambiental para prevenir nova contaminação religiosa.

§ 2º Do tratamento alternativo:
I – Acumputura: colocação de agulhas na região do córtex frontal do paciente carola para estimular o funcionamento racional do cérebro;
II – Homeopatia: exposição do paciente aos rituais de Vodu, de Macumba e de Pomba Gira para sentir os horrores dos rituais das outras tradições religiosas, cura através do princípio semelhante.
III – Reiki: posicionamento das mãos diante do córtex frontal para a canalização da energia Ki para esta região, a fim de estimular a racionalidade e, com isso, evitar a predominância de conexões sinápticas nas regiões fantasiosas do cérebro.

§ 3º Da medicação convencional
I – ingestão de neuro estimulante para estimular as atividades da região do córtex frontal;
II – anabolizante intelectual;
III – biotônico cultural;
IV – spray anti manipulação;
V – vacinação preventiva contra persuasão e doutrinação;
VI – antídoto para neutralizar o veneno religioso
VII – repelente religioso

§ 4º Da medicação alternativa
I – chá de racionalidade;
II – Ingestão de plantas alucinógenas para o paciente carola perceber que as visões místicas não passam de alucinações, as quais também podem ser experimentadas quimicamente.

Parágrafo Único. Persistindo os sintomas, o paciente carola será encaminhado para a UTI Anticarola, onde será assistido por membros dos grupos de ateístas radicais do Facebook, para então receber uma overdose de ataque antirreligioso de forte capacidade de remoção da carolice.  

Brasília, 24 de Junho de 2013; 186º da Independência e 119º da República.


Octavio da Cunha Botelho
24/06/2013

_______________________________________________________________________



            
O pastor Feliciano durante o discurso no qual afirmou
que as mortes de John Lennon e dos Mamonas
Assassinas foram castigos de deus
Em vista da dificuldade em lidar seriamente com certos assuntos e personagens da religião, a única alternativa que encontrei, para comentar sobre os mesmos, foi a criação de uma coluna de crítica humorada. Certamente, na atualidade, ninguém é mais apropriado para inaugurar está página do que a grande figuraça em evidência no momento, o deputado e pastor Marco Feliciano.
            Maravilhado com os seus ditos de sabedoria, decidi compilar as suas máximas, no estilo dos Analectos de Confúcio, com comentários à maneira dos Bhashyas da literatura sânscrita, a fim de que estas joias sapienciais sejam eternizadas e, com isso, se transformem, no futuro, em mais um clássico da literatura mundial.


OS ANALECTOS DO PASTOR FELICIANO

Prolegômenos

Uma vez em cada mil anos a humanidade é agraciada com o nascimento de um personagem dotado de uma sabedoria excepcional, cuja transcendentalidade dos seus ensinamentos não é compreendida imediatamente pelos ouvintes. Este é o caso do deputado e pastor Marco Feliciano, tal como Confúcio (Kong Fu-tzu em chinês), considerado por muitos como um dos maiores sábios da história, a sabedoria deste erudito pastor deverá ser assimilada gradativamente pela intelectualidade dos próximos anos. A sabedoria de Confúcio levou algum tempo até ser compreendida na China, e a partir de quando foi reconhecida, suas ideias revolucionaram a cultura chinesa de tal maneira a ser transformada na religião civil mais duradoura da história, perdurando por mais de dois mil anos na China. Seus ditos foram compilados, por seus discípulos, em um texto muito admirado e considerado um dos maiores clássicos da Antiguidade, que ficou mundialmente conhecido como ‘Os Analectos de Confúcio’, Lun Yu em chinês.
"Sou um pastor cheio de Espírito Santo"
Ao perceber a mesma sublimidade nos ditos sapienciais do pastor Feliciano, me apressei em compilá-los na forma de analecto (coleção de máximas), a fim de que estas joias de sabedoria não caiam no esquecimento e possam assim perdurar para a posteridade, seguindo o exemplo dos discípulos de Confúcio. À maneira das grandes e admiradas antologias, sutras e slokas da China e da Índia, a compilação foi feita acompanhada de comentário, uma vez que a condensação da sapiência presente nos ‘Analectos do Pastor Feliciano’ é tão intensa que exige um suplemento exegético. O comentário seguirá o tradicional estilo dos Bhashyas da Índia, comentários sânscritos em prosa nos quais a exegese é acompanhada de objeções, a fim de atribuir um caráter mais clássico para as máximas do pastor Feliciano, as quais serão reproduzidas aqui na forma de sutras (aforismos), seguindo o estilo clássico da literatura sânscrita. Afinal de contas, uma sabedoria sublime como esta não pode ser compilada em um texto com um estilo vulgar e com uma redação trivial.


O texto

Athâto Brahmajignâsâ – aqui começa a exposição da Sabedoria Divina

Sutra (aforismo) 1

- “Eu sou um pastor cheio de Espírito Santo”.

Exegese: Palavras de inspiração reveladora ditas durante um discurso, para um público protestante em delírio, que mais parecia um auditório de tietes, na cidade de Passos-MG. Na mesma linha das grandes encarnações divinas, tal como Jesus que afirmou “Eu e o Pai somos um, ninguém vai ao Pai senão por mim”, bem como as palavras de Sri Krishna registradas no Bhagavad Gita: “Eu sou o Senhor do Universo”, o inspirado pastor Feliciano não se rebaixa e se declara pleno de Espírito Santo. Esta é uma revelação arrebatadora, pois este pastor é muito mais do que nós imaginamos, ele deve ser mais uma encarnação divina (avatar), e as sublimes mensagens e as inspiradas revelações dos grandes seres demoram até que sejam compreendidas, daí o motivo para os atuais protestos hostis contra este sábio pastor.

Objeção: Ao contrário do pensamento de Confúcio, o qual considerava a humildade como uma das mais nobres virtudes, o pastor Feliciano se apresenta com arrogância. Se ele for cheio de Espírito Santo, ele é, ao mesmo tempo, vazio de modéstia. Se o Espírito Santo não existir, tal como nunca foi provado, na realidade, ele é cheio de algo que não existe, portanto, um sujeito vazio. Parece que sua arrogância não cabe dentre dele mesmo. E se caso o Espírito Santo existir, e se ficar cheio dele for pronunciar as idiotices que este pastor semianalfabeto costuma pregar nos seus sermões, muitas pessoas esclarecidas preferirão ficarem, o máximo possível, vazias dele.

Sutra (aforismo) 2

- “Os negros são descendentes da parte amaldiçoada dos filhos de Noé”

Exegese: Uma revelação esclarecedora que desvenda um grande mistério da Antropologia. O ensinamento está sendo considerado pelos departamentos de História das melhores universidades do mundo e, em breve, estará no currículo escolar de todas as escolas.

Objeção: Bem, se os negros são descendentes da parte amaldiçoada de Noé, então eles não têm dignidade humana, daí que a abolição da escravatura foi um erro e, consequentemente, esta sublime revelação legitima a volta da escravatura. Sendo assim, o presidente Barak Obama é um impostor, uma vez que um negro amaldiçoado não pode presidir a nação mais rica do planeta. Então Pelé e Michael Jordan não foram craques, senão bruxos da bola. Nat King Kole não foi cantor e Aretha Franklin não é cantora, mas sim encantadores demoníacos, Jazz não é música, mas sim feitiço. Sidney Potier não é um grande ator, mas um macaco de imitação e, por fim, Martin Luther King Jr., Desmond Tutu, Nelson Mandela e mais dose ganhadores negros de Prêmio Nobel terão seus prêmios cancelados.

Sutra (aforismo) 3

- “A morte de John Lennon foi um castigo de deus”

Exegese: Afirmação altamente reveladora feita durante um discurso para um auditório de crentes delirantes. O motivo para o castigo foi que o jovem ex-beatle afirmou, na época do auge da fama desta banda, que “os Beatles eram mais populares que Jesus Cristo”. Segundo o inspirado pastor, “ninguém ofende deus e permanece impune”. Acrescentou também que “gostaria de estar lá, junto ao corpo de John Lennon, após ter sido atingido pelos três tiros que o matou, para lhe dizer que o primeiro tiro foi em nome do Pai, o segundo tiro em nome do Filho e o terceiro em nome do Espírito Santo”. Estas são palavras de tão extrema sensatez que merecem a reflexão dos principais filósofos da atualidade.

Objeção: O referido pastor pode até conhecer a Bíblia da maneira decorada, tal como a maioria dos pastores, mas desconhece a história dos Beatles. Sobretudo o fato de que está documentado pela impressa e gravado em documentários, que Lennon se desculpou da sua afirmação logo após os hostis protestos das comunidades cristãs, assim que ele percebeu a repercussão reacionária, alegando que afirmou aquilo mediante forte emoção, em razão do grande sucesso da banda pelo mundo afora. Parece que na cabeça deste pastor, deus pensa da mesma maneira que um ser humano, ou seja, a mentalidade de deus é a mesma da mentalidade humana. Se deus existir, e for ele onipotente, onisciente e onipresente, tal como as religiões pregam, ele não seria insensato ao ponto de punir um jovem, recém saído da adolescência, deslumbrado por um sucesso repentino, por ter dito palavras emotivas. De modo que, se deus existisse, sua inteligência seria infinitamente superior à nossa, portanto não teria os baixos pensamentos e os precipitados juízos da nossa limitada mente humana. Se a afirmação deste pastor fosse verdade e todo aquele que ofende deus fosse sentenciado à morte pelo castigo divino, a população do planeta seria muito reduzida, portanto não teríamos sete bilhões de pessoas sobre o mundo. Ademais, se este deus do pastor Feliciano pune quem lhe ofende, por que não pune os autores ateus que ofendem e já ofenderem a deus muito mais do que Lennon? Veja o exemplo do filósofo ateu Bertrand Russell, o qual escreveu ofensas a deus e ao Cristianismo muito piores, nunca se arrependeu, e jamais foi punido com  morte por deus, só veio a falecer em 1970 na idade de 97 anos.

Sutra (aforismo) 4

 - “O avião em que viajava o grupo Mamonas Assassinas foi derrubado por um anjo”

Exegese: Outra revelação de uma transcendentalidade numinosa. Segundo este pastor cheio de Espírito Santo, a causa do acidente foi também um castigo de deus, por ter este famoso grupo “ensinado palavrões para as crianças”, e por estarem no céu, pois o “céu é o ministério do juízo de deus”. A queda da aeronave ocorreu em razão do toque no manche por um anjo e, em seguida, deus fulminou o avião. A explicação pelo acidente é muito esclarecedora, deveria ser acatada pelo Ministério da Aeronáutica.

Objeção: Se o avião caiu pelo toque do anjo no manche, este anjo certamente não tinha brevê. De maneira que, ao invés de um castigo, poderia ter sido uma barberagem do anjo, que tentou salvá-los da tormenta, porém piorou ainda mais a situação. Nenhuma criança é obrigada a ouvir palavrões em música, desde que os pais controlem, portanto, se as crianças ouviam as músicas, é porque queriam e os pais permitiam. Sendo assim, qual a justificativa do castigo, caso deus existisse? Se o pronunciamento de palavrões fosse motivo para pena de morte, então, imagine, por outro lado, quantas penas de morte aconteceriam por pronunciamento de palavrões por adultos o tempo todo no mundo. Pior do que falar palavrões, é falar mentiras. Agora, lembre-se das incontáveis alegações que os religiosos, desde a Antiguidade, proferiram, as quais depois foram desmentidas pela Ciência. Agora, imagine outro exemplo equivalentemente estúpido, se os ateus tivessem um juiz que sentenciasse, com pena de morte, todas as mentiras que os religiosos proferiram ao longo da história, certamente as religiões já teriam sido extintas, por falta de pregadores.

Colofão: Aqui terminam os sublimes ‘Analectos do Pastor Feliciano’, os ditos sapienciais deste iluminado pregador, compilados e comentados no oitavo dia do Mês das Mães, do ano Dois Mil e Treze do Ano do Senhor.

Octavio da Cunha Botelho
08/05/2013

 ________________________________________________________________









Nenhum comentário:

Postar um comentário